A transição para um turismo sustentável

começa agora

Conhece os segredos do sistema de turismo e como transformá-lo num sistema mais sustentável

Recursos

As ferramentas necessárias (e bem explicadas) para ajudar-te no teu trabalho

Sistema de turismo sustentável

Tudo começa com uma boa análise. Compreende o sistema e avalia a situação

Glossário

Os principais conceitos do turismo sustentável orientados para a acção

 
A importância da transição no turismo

O Turismo Sustentável é aquele que pensa na próxima geração e não apenas na próxima temporada

Existem outras definições para o turismo que é “amigo” do meio ambiente e da comunidade (local e visitante), mas a que tem obtido maior consenso é: Turismo Sustentável. A sustentabilidade tem origem no latim “sustinere: sustentar, segurar, dar suporte” e passou a denominar um novo campo do conhecimento ligado às ciências ambientais, nascido em resposta aos evidentes impactos e ameaças à vida que a actividade humana exerce nos ecossistemas. Posteriormente, este conceito também vem considerando os impactos e ameaças à própria sociedade. O turismo, como qualquer actividade “industrializada”, deve levar em consideração a sua responsabilidade ambiental e social. E é isto que o Turismo Sustentável propõe como modelo para todo o sector económico, atendendo a três vertentes ou eixos de atenção.  

Os 3 eixos do Turismo Sustentável

Sustentabilidade ambiental

“A sustentabilidade ambiental implica a conservação e gestão dos recursos naturais, em particular daqueles que não são renováveis ​​ou que são essenciais para a subsistência. Requer acções para reduzir a poluição do ar, do solo e da água e para conservar a diversidade biológica e o património natural. ”

Sustentabilidade sociocultural

“Implica respeito pelos direitos humanos e igualdade de oportunidades para todos os membros de uma sociedade. Requer uma distribuição justa de benefícios com foco na redução da pobreza, nomeadamente protegendo as comunidades locais, os seus sistemas de subsistência e o reconhecimento e respeito das diferentes culturas, evitando qualquer forma de exploração ”.

Sustentabilidade económica

“A sustentabilidade económica implica a criação de prosperidade nos diversos níveis da sociedade, considerando a rentabilidade do conjunto das actividades económicas. Trata-se fundamentalmente da viabilidade das empresas e suas actividades e da sua capacidade manutenção no longo prazo, proporcionando um desenvolvimento económico duradouro para a comunidade envolvente”

 ONU-PNUMA/OMT (2006)

Dificuldades

O turismo como solução

Já em 2011, no barómetro bianual de Barcelona, ​​os moradores identificaram o turismo como o problema mais grave da cidade.

Ninguém duvida que vivemos um momento de grandes mudanças geopolíticas, tecnológicas, sociais, inclusive de saúde pública, num contexto de ameaça ambiental em que urge reduzir todos os impactos negativos da nossa actividade.
 
O principal desafio do turismo é deixar de ser apontado como um problema crescente para se tornar uma actividade exemplar diante da mudança de paradigma ambiental, económico e social que devemos empreender. Temos as ferramentas e o melhor contexto de trabalho para isso, mas precisamos de mudar perspectivas, valores, modelos de gestão e aplicá-los ao sector turístico.

 

Desafios do turismo

Pegada ecológica

Aprender a gerir consumos e resíduos. Aplicar a bioconstrução no turismo, à geração e uso de energias mais limpas. Usar uma gestão adequada dos recursos hídricos. Minimizar e compensar a geração de gases de efeito estufa resultantes dos transportes …

Especulação imobiliária

Compreender a realidade habitacional local e implementar modelos e limites habitacionais que impeçam a gentrificação, a perda de identidade dos centros históricos ou a mudança de uso dos terrenos e habitações. Evitar a industrialização do turismo e entendê-lo como parte integrante da solução e não como única opção económica por territórios, vilas e cidades.

Sazonalidade

A promoção da qualidade da experiência turística e a pacificação do turismo para que possa ser integrado na vida local promove uma profunda mudança nos perfis profissionais e na qualidade dos contractos de trabalho, promovendo a diminuição do emprego temporário, a precariedade e a sobreexploração dos recursos (água, energia, infra-estruturas) …

Perda de autenticidade

A ligação entre o turismo e a vida local evita experiências turísticas superficiais e estereotipadas, promovendo simultaneamente os valores da Paz e o intercâmbio cultural.

Globalização e novas tecnologias

Aplicar o uso de novas tecnologias como elemento facilitador da gestão e da prática do turismo, contudo sem renunciar à hegemonia ou estabelecer barreiras tecnológicas, ou de desigualdades de acesso.

Estratégia para a transição do turismo

“É hora de abandonar a ideia ilusória de tornar sustentável o desenvolvimento e substituí-la por um projecto muito mais emocionante: desenvolver a sustentabilidade”

Thierry Paquot

“O desenvolvimento sustentável do turismo requer a participação informada de todos os agentes relevantes, bem como uma atitude política consistente para alcançar ampla colaboração e estabelecer um consenso.”

ONU-PNUMA/OMT (2006) São muitos os desafios que se colocam a um destino turístico ou de negócios e a necessidade de o fazer de forma sustentável é imprescindível, e existe um caminho para se chegar a um modelo ecológica, social e culturalmente responsável e que também é rentável (economicamente sustentável). Para tal, é possível fazer uma transição com calma e determinação através de a uma estratégia adequada.

A estratégia três “G”

Gestão

A gestão de actividade económica deve seguir uma estratégia. As pequenas empresas tendem a aderir à estratégia do destino em que se encontram ou do seu parceiro comercial… o que é definitivamente uma má ideia. Primeira chave: Necessitas de uma gestão estratégica.

Glocalização

“Pensa globalmente, actua localmente” … é um slogan muito comum, mas ilustra perfeitamente a estratégia que nos leva à acção, superando o impacto causado pela análise da situação do contexto turístico. Entender, para depois orientar e concentrar esforços em modificar o que está nas nossas mãos, é essencial para guiar correctamente o significado do que fazemos.

Governança

Seja como responsável por promover a governança de um destino ou como agente implicado (stakeholder), trabalhar e decidir de forma coordenada entre o sector público e a população, facilita o entendimento, melhora muito a qualidade da experiência turística e aumenta os impactos positivos, minimizando os negativos.

Contacta-nos

Skip to content